Congresso Brasileiro de Educação Médica

BRASÍLIA/DF - 12 a 15 de outubro de 2016

Ensinar e Aprender Medicina: Desafios do Presente e Expectativas do Futuro

DATAS IMPORTANTES DO EVENTO

Caros congressistas,

 

A Associação Brasileira de Educação Médica (ABEM), tem a honra de convidá-los para participar do 54º Congresso Brasileiro de Educação Médica (54º COBEM), que será realizado no período de 12 a 15 de outubro de 2016, na UniCEUB – Centro Universitário de Brasília.

 

O COBEM, maior evento anual promovido pela ABEM, conta com a presença de todas as pessoas comprometidas com uma formação médica de qualidade, incluindo docentes dos cursos de medicina, estudantes de medicina, médicos residentes, pós-graduandos, pesquisadores e demais profissionais da rede de saúde, representantes de entidades médicas, diretores de hospitais de ensino e gestores do Sistema Único de Saúde/SUS.

 

O Tema Central do 54º COBEM é Ensinar e Aprender Medicina: desafios do presente, expectativas do futuro. Este tema nos estimula a refletir e debater em todas as atividades do Congresso buscando caminhos para enfrentar os desafios presentes, tanto no cotidiano de nossas escolas como na consolidação do Sistema Único de Saúde/SUS, contribuindo para uma sociedade mais justa e igualitária, conforme reza a MISSÃO da própria ABEM.

 

No atual momento de crise no país, com sérias repercussões na educação e na saúde, precisamos, mais que nunca,  somar esforços, compartilhar conhecimentos e experiências, com o objetivo de avançar e aprimorar as mudanças no ensino médico e avaliar seu impacto em nossa sociedade.

 

No dia 21 de agosto de 1963 – exatamente no dia em que a ABEM comemorava seu primeiro aniversário – o sociólogo e professor Gilberto Freyre – “Casa Grande e Senzala” – proferiu  a Conferência de Abertura do 1º COBEM, em que fez um paralelo entre Sociologia e Medicina, e nos legou, para reflexão, um rico texto, do qual extraímos:

   “Nem a Medicina nem a sociologia podem dar-se ao luxo de extremarem-se em especialismos sem perderem sua sanidade ou a sua autenticidade: ambas, tendo que lidar com o Homem social, precisam lidar com o Homem Social total, antes de considerá-lo apenas e estritamente neste ou naquele particular: coração, fígado, cérebro, olhos, nariz, garganta, ouvidos, nervos, uretra, órgão genitais, pelo médico; economia, arte, educação, política, sexo, classe, idade, religião, pelo sociólogo “.

 

Ensinar e Aprender são duas atividades extremamente complexas – e fundamentais – do engenho humano. Por isto, sua presença e participação fará toda a diferença!

 

Participe e faça diferença!!!

 

Sigisfredo Luis Brenelli

Diretor Presidente da ABEM